PONTO DE CINEMA, PONTO DE CINEMA-CINEMATECA GAÚCHA,
PONTO DE CINEMA SESC,
CENTRO CULTURAL GUION,
GUION CENTER CINEMAS,
CAFÉ GUION, GUION CDS,
GUION SOL,
AEROGUION & GUION ARTE, CDS E LIVROS

Há 33 anos demos início no Centro Municipal de Cultura de Porto Alegre um projeto inédito no País e que redundou em vários sucedâneos no País, entre eles os Cineclubes Estação Botafogo, Bixiga, Elétrico, Espaço Unibanco, entre outros. E, depois do PONTO DE CINEMA vieram o PONTO DE CINEMA-CINEMATECA GAÚCHA, PONTO DE CINEMA SESC, CENTRO CULTURAL GUION (somente no papel), GUION CENTER CINEMAS, CAFÉ GUION, GUION CDS, GUION SOL, AEROGUION & GUION ARTE, CDS E LIVROS.
Cheguei tardiamente em Porto Alegre... já tinha perdido os grandes clássicos e a minha preocupação era o resgate desta memória cinematográfica. Quem vive na era da digitalização não consegue entender a carência que se tinha naqueles dias, já que, hoje, a seleção se dá através das vídeolocadoras, mas naquela época era uma luta conseguir prospectar um filme ou mesmo uma informação.


Recortes de imprensa
Clique nas imagens para ampliar


A seguir um resumo daquelas atividades.

Nossa história tem início um pouco antes
Em 1978, QUANDO CARLOS SCHMIDT realizou o documentário poético TERMINANDO, obtendo diversas premiações, sendo o primeiro filme gaúcho premiado em um festival nacional:
1º LUGAR no Festival de Cinema de Gramado-1978;
MELHOR FOTOGRAFIA no VI Super Festival Nacional do Grife/SP-1978;
SELECIONADO para o Festival Internacional do Filme Documentário de Hiroshima/Japão;

PRÊMIOS DESTAQUE em mais dois festivais nacionais. Da participação em festivais nacionais surgiu o embrião para a criação do;

CINEMA ITINERANTE - Em 1979 cria um circuito de exibições/ palestras sobre a história do cinema em conjunto com a Secretaria de Educação do Estado do RS;

EM 1980 realizamos a versão sonora com tradução de intertítulos do clássico do expressionismo, NOSFERATU, de F.W. Murnau. Participaram do trabalho Wilson Spohr e Claudio Ott. O filme viria a ser exibido em Porto Alegre para centenas de pessoas e foram realizadas duas sessões no Cineclube Bixiga/SP (1982). Lançou com sucesso filmes gaúchos; estreou nacionalmente MISSA DA TERRA SEM MALES; revelou ao público gaúcho que a apresentação de mestres do cinema e filmes do cinema gaúcho interessavam e podiam fazer sucesso.

Depois de um ano no Centro Municipal de Cultura, passamos outro ano no Teatro de Câmara agregando além do sábado e domingo, também as segundas. Tudo de modo a não perturbar as peças de teatro que eram encenadas antes e depois das sessões de cinema.

Claro que não duraria muito a tolerância de ambas as partes e acabamos sem abrigo do município.

Nos anos subsequentes passamos a exibir filmes nos mais inusitados locais de Porto Alegre: ASSEMBLÉIA LEGISTATIVA, INTITUTO GOETHE, SENAC, INSTITUTO DE ARTES, entre outros.

EM 1982 , após ocupar durante 1981 o Teatro de Câmara em POA, passa a trabalhar de forma itinerante, promovendo ciclos e mostras lança com sucesso em diversas capitais (em SP no MASP, reunindo mais de 2 mil pessoas) e cidades do RS e SC o documentário STAMPING GROUND sobre o festival de rock de Rotterdam que reuniu bandas como Pink Floyd, Santana, T. Rex, Jefferson Airplane, entre outros. O filme foi visto por mais de 20 mil pessoas.

Em 1983 criamos o PONTO DE CINEMA-CINEMATECA GAÚCHA, que é a primeira cinemateca do Rio Grande do Sul e um dos maiores acervos privados do Brasil com mais de 2 mil exemplares. Filmes sem registro em vários países fazem parte deste acervo como alguns exemplares da ARGENTINA SONO FILM, TANGO, o primeiro filme sonoro daquele país; o primeiro filme colorido do Japão, A VOLTA DE CARMEN, de Keisuke Kinoshita, o primeiro filme realizado por Orson Welles, HEARTS OF AGE; além de clássicos filmes de Ingmar Bergman, Visconti, Robert Wise, Fritz Lang, Masaki Kobayashi, Heinoske Gosho, Kaneto Shindo, Irmãos Taviani, Claude Lelauch, Jacques Becker, William Wyler, Nicholas Ray, Alfred Hitchcock, Max Ophüls, Roman Polanski, Costa-Gavras, Irmãos Lumière entre outros.

DEPOIS DE ANDAR DE TEATRO EM TEATRO/CINEMA EM CINEMA, o Ponto de Cinema finalmente encontrou um ponto permanente.

EM 1986 em conjunto com o SESC-Serviço Social do Comércio/POA cria o PONTO DE CINEMA/SESC , um cinema de 300 lugares, que funcionava semana sim semana não e que funcionou até abril de 1992, quando um incêndio destruiu totalmente o cinema. Durante seis anos produziu eventos que marcaram a vida cultural de Porto Alegre, tornando-se notícia nacional diversas vezes pelo ineditismo como a apresentação de um filme inédito do acervo, HEARTS OF AGE, de Orson Welles.

MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA DE PORTO ALEGRE - apoiamos este empreendimento do Clube de Cinema de POA e, inclusive, organizou sozinho ou em conjunto as últimas 4 edições do mais importante evento cinematográfico de POA;

ATÉ ESTA DATA o Ponto de Cinema contabilizava 1250 filmes exibidos, sendo que destes, 40% eram inéditos.

EM UMA MÉDIA de 23 semanas ao ano chegou ao recorde de 33 mil espectadores e um mínimo de 25 mil o que demonstra bem a aceitação do evento;

EM 02/12/1993 realiza o 1º FESTIVAL INTERNACIONAL DE DESENHO ANIMADO E ANIMAÇÃO DE LAJEADO-RS, durante três dias reuniu uma multidão e de forma inédita no País realiza este evento ao ar livre com o julgamento do público espectador dos cerca de 40 filmes do Brasil, França, Alemanha, EUA, Japão, Inglaterra e Polônia.

DEPOIS DE aguardar durante dois anos o cumprimento do contrato, pois o incêndio interrompeu o contrato na primeira semana de vigência, após a mudança de diretoria do SESC, o contrato não foi honrado. Tentou em vão viabilizar a construção de um

CENTRO CULTURAL GUION em uma casa no bairro Auxiliadora mas foi frustrado pela Secretaria do Planejamento, que mesmo com o apoio dos moradores vetou o projeto e num arrojo lançou mão de todas as economias e construiu

EM 22/06/1995 o GUION CENTER CINEMAS, complexo composto de três salas de exibição, o CAFÉ GUION e o GUION CD'S, loja especializada em trilhas, jazz, world music, música popular gaúcha, enfim cd's selecionados.

O nome GUION, ao contrário do que muitos imaginam não teve inspiração na palavra espanhola Guión, que é roteiro de cinema, mas é uma homenagem a um amigo japonês que faleceu no momento exato em que concordávamos com a sua sugestão ao Centro Cultural da Auxiliadora. GION é um bairro tradicional da cidade japonesa de Kyoto, originalmente desenvolvido na Idade Média, em frente ao Templo Yasaka. O bairro foi construído para acomodar as necessidades dos turistas e visitantes ao santuário. Ele eventualmente evoluiu para se tornar um dos mais exclusivos e bem conhecido de todos os distritos de gueixas do Japão. As gueixas no distrito de Gion não se referem a si mesmas como gueixas, em vez disso, usa o termo geiko local. Enquanto gueixa significa "artista" ou "pessoa das artes", o termo geiko mais direta significa essencialmente "uma criança das artes" ou "uma mulher de arte". E é famoso o Gion Matsuri, um festival que ocorre no mesmo período da inauguração do Guion.

Qualificados, os Cinemas Guion logo atraíram a atenção do público pela sua programação selecionada, notadamente de filmes da América Latina (Argentina, Chile, México, Cuba, Peru, entre outros) europeus (franceses, italianos, espanhóis, alemães, ingleses, russos, etc.) e de cinematografias menos conhecidas (Japão, Coréia do Sul, Índia, de países africanos, Austrália);

pela inédita (no Brasil) utilização de tecido nas poltronas;

pelo sistema inédito de som implantado em conjunto com a SELENIUM (fábrica de alto-falantes) que é a construção de caixas de

concreto para o sub-woofer de 1300 litros cada, o que dá um grave surpreendente;

reserva de ingressos por telefone; bilheteria aberta com comunicação direta;

proibição de entrada na sala com bebida, pipoca ou comida e após 15 minutos do inicio do filme;

projeção com lâmpadas de 2500 Watts ao contrário das fracas 2000 watts utilizadas até hoje o que garante a luminosidade ideal para o filme;

TRANSFORMOU em sucesso filmes rejeitados em outras latitudes como, VÁ AONDE SEU CORAÇÃO MANDAR (Va Dove Ti Porta il Cuore) de Cristina Comencini, filha do grande Luigi Comencini, literalmente um fracasso no Brasil e que ficou 21 semanas em cartaz e fez 25 mil espectadores; O CARTEIRO E O POETA (Il Postino) de Michael Radford, seis meses em cartaz e mais de 50 mil espectadores, DANÇA COMIGO(Shall We Dance?) de Masayuki Suo, 27 semanas e o recorde de TUDO SOBRE A MINHA MÃE (Todo Sobre Mi Madre) de Pedro Almodóvar, com 32 semanas em cartaz.

EM 26/03/1996 Carlos Schmidt recebe por relevantes serviços prestados à comunidade de Porto Alegre a MEDALHA CIDADE DE PORTO ALEGRE;

EM 26/05/1997 Carlos Schmidt recebe o TROFÉU DESTAQUE EM CULTURA, conferido pelo Jornal do Comércio de POA;

EM 28/06/1996 dota a sala principal, Guion Center 1, de projetor importado dos EUA;

EM 08/08/1997 inaugura o GUION SOL, com duas salas de exibição dotadas de calefação, poltronas em tecido italiano, equipamento de projeção importado dos EUA e dotado de som digital DTS, um cinema que se transformou em referência no País por seu design e qualidade de som e projeção;

EM MARÇO DE 1999 dá início ao PROGRAMA DE FIDELIDADE GUION, um processo inédito em cinemas, que deu prêmios e brindes além de outras vantagens como viagens a PARIS, BUENOS AIRES, MADRID, NOVA IORQUE, RIO DE JANEIRO, etc..

EM MARÇO DE 2001 instala o sistema inédito no Brasil de som DOLBY DIGITAL 650.

EM NOVEMBRO DE 2004 Inaugura o AeroGuion, o primeiro e agora novamente único cinema de Aeroporto do Brasil e da América Latina. Com 3 salas de cinema: duas de 165 lugares e uma com 126 lugares. À arquiteta paulista Andréa Kanazawa, encarregada do projeto do Café Guion, junto ao cinema, coube traduzir o charme dos cafés das esquinas portenhas e que tem o mesmo cuidado e qualidade do já tradicional Café Guion do Centro Comercial Nova Olaria.

EM JUNHO DE 2009 encerra as atividades do Guion Sol, depois de 12 anos de atividades.

EM JUNHO DE 2009 inaugura o GUION ARTE com a exposição 14 ANOS, 14 AMIGOS, uma espaço para apoiar as artes visuais gaúcha, nacional e internacional.

EM OUTUBRO DE 2009 dá início a reforma do Guion Center 1 e 3, introduzindo um inédito espaço de 2 metros entre um espaldar e outro, além de proporcionar a locação de pufes para o descanso dos pés e poltronas com 73 cm de largura.